NEW LIFE | Ana Juma

New Life

NEW LIFE | Ana Juma

Scroll down for English

“Essas vozinhas vão, provavelmente, sempre existir… A diferença é como reagimos a elas. Sinto também que quando estás genuinamente a viver uma vida de propósito maior, ganhas mais coragem para arriscar e ir para além do que conheces, porque no final do dia a causa é maior que tu.”

Ela tenta explicar-nos a importância em nos concentrarmos nas pequenas coisas do dia, da vida. Em assentar ideias reais no papel e vê-las realizadas, em criar hábitos que nos fazem evoluir e viver esta nossa vida com mais intenção e com gratidão. Passos de uma transformação que acontece dentro de nós, que nos ajudam a chegar aos nossos sonhos e a quem verdadeiramente somos, mas sempre apreciando esta viagem.

Ela é a Ana Juma, empreendedora e criadora do My Life Journal.

Quem é a Ana?

Ah! Vou redescobrindo todos os dias. A minha essência procura liberdade, apreciar a beleza nas “pequenas” coisas da vida, e fazer parte da criação de um mundo com mais compaixão, amor e sentido.

 

Em criança, quais eram os teus sonhos para a vida adulta?

Queria ser artista. Dançar, cantar, escrever, representar. Entretanto comecei a acreditar na ideia que é difícil ser uma artista bem sucedida e que não iria ser capaz de criar o estilo de vida que procuro. Acabei assim por escolher estudar economia e gestão.

Como foi o teu percurso académico e em que área(s) te especializaste?

Sendo que passei a maior parte da adolescência muito fechada no meu próprio mundo, percebi que o que precisava para o percurso académico era expandir os horizontes em outras áreas de vida, sobretudo na área social. Procurava uma opção que me ajudasse a crescer também como pessoa, e encontrei isso na Licenciatura de Gestão de Marketing no ISCTE.

Terminaste o teu curso… e o que se seguiu?

O vazio de não saber, afinal, o que pretendo fazer com a minha vida profissional. Sabia que a resposta passava, primeiro, por perceber melhor quem sou, e para isso precisava de crescer com novas experiências de vida. No mesmo mês peguei nas malas, nas poupanças, e fui fazer voluntariado para a Índia.

Num determinado momento da tua vida deixaste o teu trabalho a full-time e toda a estabilidade que isso representava, para ficares um pouco mais próxima daquilo que ias descobrindo ser a tua missão. Como foi a reação a nível familiar a esta tua decisão?

A família tem sido o meu maior apoio. No entanto, confesso que também houve o momento de ter sido questionada se o melhor não seria voltar a encontrar um trabalho a full-time por toda a estabilidade financeira e emocional que dá. AÍ percebi que nem todos vão entender a tua visão, resiliência e fé, e está tudo bem. A incerteza provoca insegurança, e por norma quem te quer bem também te quer proteger.

 

Qual foi o papel da dúvida e do medo em todo este processo de procura pelo qual passaste?  

Na verdade, tanto a dúvida como o medo são constantes. O que tenho aprendido é saber reconhecê-los, aceitá-los e transformá-los em instrumentos de desenvolvimento pessoal. Essas vozinhas vão, provavelmente, sempre existir… A diferença é como reagimos a elas. Sinto também que quando estás genuinamente a viver uma vida de propósito maior, ganhas mais coragem para arriscar e ir para além do que conheces, porque no final do dia a causa é maior que tu.

Qual a história do My Life Journal?

O My Life Journal surge como a combinação de duas paixões: a da escrita e a de transformação pessoal. Estava na Malásia quando a ideia começou a solidificar. A prática estava a ajudar-me tanto a ser mais produtiva e a viver com intenção que comecei a partilhá-la com os meus colegas lá no trabalho. Entretanto, andava sempre com dois ou três journals na mala até que decidi colocar tudo em apenas um e criar o meu próprio sistema que sabia ser eficaz. Assim, no final de 2017 voltei a Portugal para dar luz ao My Life Journal como parte da missão de criar ferramentas bonitas e sustentáveis de liberdade pessoal.

 

“… you have the power, and responsibility, to design your own life.”

 

O que tens aprendido sobre este caminho de criar uma vida mais feliz e com significado?

Acredito que existem duas formas de viver a vida: ou como vítima ou como criadora. A vítima foca-se nos problemas, a criadora foca-se em soluções. Encontrar felicidade e significado é uma prática diária que vem com intenção. É uma escolha. Claro que também vão existir momentos transitórios em que vamos experienciar dor, tristeza, etc., e ainda bem! Muitas vezes, são esses momentos que nos trazem a sabedoria e o crescimento que precisamos para passar ao capítulo seguinte da nossa vida.

Ainda trabalhas para a Mindvalley? No que consistia aqui o teu trabalho?

Já não! Estive na Mindvalley durante 3 anos e trabalhei em gestão de conteúdos e de comunidades nas redes sociais. 

 

Para além da Mindvalley, encontraste a trabalhar em mais alguma empresa ou projecto?

Uff, sim! Comecei a trabalhar aos 18 anos enquanto estudava. Experimentei várias coisas, desde figuração em novelas, organização de eventos, trabalho editorial numa revista online de marketing, e até fazer turnos noturnos num hostel. Antes de ir para a Mindvalley na Malásia estava em Lisboa no departamento de marketing da Unilever.

Já descobriste como podes fazer a diferença neste mundo, ou ainda te encontras no processo de procura?

Acredito que todos os dias são oportunidades de contribuir para um dia melhor de alguém — um estranho, um familiar, um amigo. Parece-me que colocamos tanta pressão em encontrar “a grande missão” (contra mim falo!) que acabamos por nos esquecer que a mudança começa nas pequenas interações mundanas, independentemente do que fazes profissionalmente. É um processo sim, mas não só de procura. Muitas vezes vem ao teu encontro, apenas temos de ouvir e aprender a reconhecer.

Tens algum livro, ou outro recurso, que queiras recomendar às meninas empreendedoras que andam a seguir os seus sonhos ou se preparam para isso?

“Thrive” da Arianna Huffington. É um livro sobre a redefinição da ideia de sucesso que prioritiza o equilíbrio e bem-estar acima de tudo. É tão bom tornar uma visão em realidade, mas é ainda melhor quando o caminho é aquilo que fez tudo valer a pena.

Indica-nos uma conta de Instagram que seja especial para ti e te inspire.

Se procuram um momento de awe, vejam o @jasonsilva. Já o sigo há vários anos e tem sido uma inspiração em como expressar a experiência humana em palavras. Genial!

 

Como defines a palavra liberdade?

Se te pedisse para fechares os olhos e pensares em ti daqui a 10 anos, o que vês?

Vejo alguém que vive em sintonia com a sua essência e propósito de vida, em liberdade e abundância, seja enquanto filha, mãe, amiga, visionária, criadora. A cada novo dia, a vida tornar-se-á ainda mais rica e bonita!

English Version

“These little voices will probably always exist… The difference is how we react to them. I also feel that when you are genuinely living a life of greater purpose, you gain more courage to risk and go beyond what you know, because at the end of the day the cause is greater than you.”

She tries to explain to us the importance of focusing on the little things of the day, of life. To set real ideas on paper and see them fulfilled, to create habits that make us evolve and live our lives with more intention and gratitude. Steps of a transformation that take place inside us, and help us reach our dreams and who we truly are, but always enjoying the journey.

She is Ana Juma, entrepreneur and creator of My Life Journal.

Who is Ana?

Ah! I rediscover every day. My essence seeks freedom, to appreciate beauty in the “little” things of life, and to be part of creating a world with more compassion, love and meaning.

 

As a child, what were your dreams for adulthood?

I wanted to be an artist. Dance, sing, write, perform. In the meantime I started to believe that it is hard to be a successful artist and that I would not be able to create the lifestyle I am looking for. I ended up choosing to study economics and management.

How was your academic background and what area (s) did you specialize in?

As I spent most of my teenage years in my own world, I realized that what I needed for my academic career was to expand my horizons in other areas of life, especially in the social area. I was looking for an option that would help me grow as a person too, and I found that in the Marketing Management Degree at ISCTE.

You finished your course… and what followed?

The emptiness of not knowing, after all, what I intend to do with my professional life. I knew that the answer, first of all, came from better understanding from who I am, and I needed to grow with new life experiences. In the same month I took my bags and savings and volunteered for India.

At one point in your life you left your full-time job and all the stability it represented, to get a little closer to what you were finding to be your mission. How was the family reaction to your decision?

The family has been my biggest support. However, I confess that there was also a time when I was asked if it would not be better to find a full-time job again for all the financial and emotional stability it gives. Then I realized that not everyone will understand your vision, resilience and faith, and that’s fine. Uncertainty causes insecurity, and usually those who want you well also want to protect you.

 

What was the role of doubt and fear in all this searching process you went through?

In fact, both doubt and fear are constant. What I have learned is knowing how to recognize them, accept them and turn them into instruments of personal development. These little voices will probably always exist… The difference is how we react to them. I also feel that when you are genuinely living a life of greater purpose, you gain more courage to risk and go beyond what you know, because at the end of the day the cause is greater than you.

What is the history of My Life Journal?

My Life Journal comes as a combination of two passions: writing and personal transformation. I was in Malaysia when the idea started to solidify. The practice was helping me both to be more productive and to live with intention that I started sharing it with my colleagues at work. In the meantime, I always had two or three journals in my bag until I decided to put everything in one and create my own system that I knew was effective. So in late 2017 I returned to Portugal to give birth to My Life Journal as part of the mission of creating beautiful and sustainable tools of personal freedom.

 

“… you have the power, and responsibility, to design your own life.”

 

What have you learned about this path of creating a happier and more meaningful life?

I believe there are two ways to live life: either as a victim or as a creator. The victim focuses on problems, the creator focuses on solutions. Finding happiness and meaning is a daily practice that comes with intention. It is a choice. Of course there will also be transitory moments when we will experience pain, sadness, etc., and thankfully! It is often these moments that bring us the wisdom and growth we need to move on to the next chapter of our lives.

Do you still work for Mindvalley? What was your work here?

No longer! I was at Mindvalley for 3 years and worked on content and community management on social networks.

 

Have you figured out how you can make a difference in this world, or are you still in the search process?

I believe that every day is an opportunity to contribute to someone’s better day – a stranger, a family member, a friend. It seems to me that we put so much pressure on finding “the great mission” (against me I speak!) That we eventually forget that change begins in small mundane interactions, regardless of what you do professionally. It is a process of yes, but not only of searching. Many times it comes to you, we just have to listen and learn to recognize.

Do you have a book, or other resource, that you want to recommend to anyone who is currently changing his or her business, life, or following what they have always dreamed of?

“Thrive” of Arianna Huffington. It is a book about redefining the idea of success that prioritizes balance and well-being above all. It’s so good to make a vision come true, but it’s even better when the path is what made it all worthwhile.

Tell us about an Instagram account that is special to you and inspires you.

If you are looking for a awe moment, check out @jasonsilva. I have been following it for several years now and it has been an inspiration on how to express the human experience in words. Great!

 

How do you define the word freedom?

If I asked you to close your eyes and think of yourself 10 years from now, what do you see?

I see someone who lives in tune with their essence and purpose of life, in freedom and abundance, whether as a daughter, mother, friend, visionary, creator. With each new day, life will become even richer and more beautiful!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *